quinta-feira, 5 de abril de 2012

Culturas Africanas e Afro-Brasileiras em Sala de Aula - Editora Fino Traço

O desejo de realizar uma publicação que reunisse as interessantes, relevantes e necessárias pesquisas de graduação, mestrado e doutorado minha e de meus colegas pesquisadores me acompanha desde 2003, ano de em que entrou em vigor a LEI 10.639 que obriga as instituições de ensino a incluir no currículo escolar o ensino da história e da cultura da África e de seus descendentes no Brasil.

Alguns publicações de peso, muito referenciais para as minhas práticas, estiveram por pouco tempo no mercado devido a grande sede de educadores por saber mais sobre este assunto. Uma delas é da Editora Ática, da Prof. de História da África da USP, Marina de Mello e Souza, África e Brasil Africano, de 2006. Com muito cuidado e respeito pelos povos africanos e pelos afro-brasileiros, Marina de Mello e Souza vai conduzindo-nos pela saga dos grandes reinos africanos, pelo contato destas populações com o mundo islamizado, pelos processos de escravização já existentes antes mesmo da chegada dos portugueses ao continente, é claro que com diferenças entre um modo e outro de escravizar, enfim, um belo livro que muito informa. Entretanto, este maravilhoso livro (já esgotado, diga-se de passagem) e outros que surgiram não acenam para o caminho das pedras: como o educador pode transformar conhecimentos e informações brilhantes em aula, em currículo, planejamento?

Foi a partir deste questionamento que convidei amigos pesquisadores a desenvolverem artigos referentes as suas pesquisas, porém falando diretamente ao educador, tendo em mente o dia a dia estes profissionais essenciais a nossa sociedade que, muitas vezes, trabalham em mais de uma escola, possuem família, utilizam transportes públicos precários, não possuem nem tempo e, infelizmente, nem recursos para adquirir muitos livros.

Gentilmente, Alexandre Araujo Bispo, Milton Silva Santos, Vanessa Raquel Lambert, Marcos Vinicius Felinto dos Santos, Emerson Melo, André Augusto Santos, David Ribeiro, Joyce Maria Rodrigues, Dulcilei Conceição, Janaina Barros, Wagner Vianna e Marcelo De Salete concordaram com a ideia, especialmente, porque compartilhamos desta premissa de que conhecimento acadêmico deve chegar a sala de aula, aos alunos e aos docentes. Isso foi em 2010, precisamente em julho, enquanto eu viajava conhecendo os museus que sempre quis ver com meus olhos com minha amiga Patricia Moreira. Como escrevi no texto que abriu o blog em 2012, grosso modo, viagem faz a gente sonhar, mas é necessário sonhar e concretizar e eu gosto disso, ainda que com todas as críticas que eu possa receber.
Doze autores, doze textos para que o Erick Ramalho revisasse, sempre melhorando, sempre com alterações, conversas via email, ver as imagens autorizadas ou não e agora o livro está aqui. Pronto!! Artigos acompanhados de sugestões de atividades voltadas ao Ensino Fundamental. Claro que o educador criativo, cheio de ideias pode adaptar as atividades. São sugestões apenas.

Esperamos que este material realmente enriqueça as iniciativas voltadas a efetivação desta lei que vem para somar, para humanizar e não para complicar e distanciar como já ouvi "educadores" dizendo e reclamando. Afinal, não somos uma cultura caucasiana ocidental como por muito tempo se quis afirmar via muitos meios. Somos mistos, somos afro, somos indígenas, somos misturados e nossa cultura reflete esta nossa característica. 

Agradeço aos autores, a amiga e Prof. Dra. da UFMG Vanicleia Silva Santos, a amiga e Prof. Dra. da UNIFESP Ligia Ferreira, a toda equipe maravilhosa da Editora Fino Traço e especialmente a Betânia Figueiredo que aceitou esta publicação na coleção Formação Docente.

Capa do nosso livro publicado pela Editora mineira Fino Traço (Fino Trato, também, o tempo todo). A fotografia é da amiga Vanicleia Silva Santos que apresentou este livro aos seus alunos da UFMG ontem.
Gostaria de compartilhar o comentário de um dos autores, do grande amigo, pesquisador, curador e mestrando em Antropologia Social pela USP, Alexandre Araujo Bispo, feito via Facebook, hoje pela manhã:

Renata e a foto é muito impressionante não? Ficou ótimo, parabéns a nós, mas sobretudo a você que organizou os artigos, reuniu os autores, enfim fez a produção cultural do projeto. Agora é torcer para que o material possa ajudar no fomento e exercício dos direitos étnico-raciais. No Brasil sabemos o quanto há desigualdades e a democracia está muito longe de realizar direitos básicos. Basta olharmos para o descaso com a gestão da educação e da saúde, que como sabemos são pilares do exercício democrático. Espero que nosso livro auxilie os professores que estão dispostos a mudar abordagens, a rever seu modo de trabalhar em sala de aula. Afinal a tarefa de todo adulto, como lembra Hanah Arendt é educar os pequenos, ou os jovens que estão chegando aí....


Para informações sobre aquisição, favor contatar: atendimento@finotraco.com.br